QUEM ESCREVE


Observando aves e brincando com
uma teia de aranha em Miguel
Pereira, RJ. Fevereiro de 1995.
Nasci em 12 de agosto de 1987 e fui criado no bairro de Madureira, subúrbio pobre do Rio de Janeiro. Desde garotinho era apaixonado pela natureza. Já aos cinco anos de idade sonhava ser paleontólogo e como todo moleque, eu adorava dinossauros. Com sete anos de idade comecei a colecionar insetos (especialmente besouros e borboletas que encontrava pelos terrenos baldios do meu bairro). Os eventuais vertebrados mortos que eu encontrava eram enterrados em meu quintal e depois de algumas semanas eu os desenterrava para que pudesse juntar e "montar" os ossinhos. Usava uma coleção de enciclopédias de vida selvagem deixadas pelo meu avô Adelino como fonte de conhecimento sobre os animais que eu tanto amava. Gostava de observar as aves se alimentando e cuidando dos seus filhotes nos ninhos dos terrenos perto da minha casa. Depois de um especial episódio em que minha cadela vira-lata Cherry caçou um morcego (não me perguntem como), a minha vida mudou, e antes dos 10 anos eu já estava completamente fascinado pelos morcegos.

Aos 17 anos, no segundo ano do curso Técnico em Meio Ambiente, eu entrei como estagiário no Laboratório de Bentos, no Departamento de Biologia Marinha da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Trabalhei por dois anos em um projeto com ecologia marinha, utilizando como modelo a Classe Ascidiacea. Apesar do profundo interesse que sentia pela Biologia Marinha, sentia que meu coração estava dentro das florestas, e paralelamente, eu participei como estagiário em projetos com minha grande paixão, os morcegos e desde 2004 venho me dedicando a pesquisas com este grupo. Tive o privilégio de conhecer lugares inesquecíveis dentro do meu majestoso e belo país. Pude coletar nos secos e poéticos sertões da Caatinga nordestina, na elusiva e hipnotizante floresta amazônica e nos campos e matas abertas do Cerrado e do Pantanal. Mas a foi no "quintal" de casa, a Mata Atlântica, onde permaneci por mais tempo, chegando a passar mais de 200 dias por ano dentro das belíssimas florestas do sudeste brasileiro.

Amostragem de morcegos em área de Caatinga no sertão
de São João do Piauí, PI. Outubro de 2010.
Foto: Igor Catharino de Souza.
Em busca do aprendizado constante passei por diversos lugares, como o Laboratório de Mastozoologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), onde trabalhei com ecologia de morcegos junto ao Prof. Adriano Peracchi e MSc. Luiz Fernando Menezes Jr.; o Laboratório de Vertebrados do Departamento de Ecologia da UFRJ, onde participei de pesquisas com ecofisiologia e bionomia de roedores silvestres neotropicais, orientado pelo Dr. Rui Cerqueira; o Laboratório de Mastozoologia do Departamento de Zoologia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), onde trabalhei com ecologia e conservação de morcegos cavernícolas e com zoogeografia de morcegos fósseis do Pleistoceno, orientado pelo Dr. Leonardo Avilla. Também fui membro do findado Projeto Pró-Morcegos por quase sete anos, onde trabalhei com pessoas que hoje formam uma grande família.


Expedição de amostragem de fauna em floresta amazônica inundável no Rio Jí-Paraná, Rondônia. Janeiro de 2014. Da esquerda para a direita: Domingos (barqueiro), Roberto Novaes, Vinícius C. Cláudio (mastozoólogo e amigo) e Gean (assistente de campo).
Foto: Camila Barreto Campello Bione.


Sou biólogo e fotógrafo da natureza, e atualmente sou aluno do curso de Mestrado em Biodiversidade e Biologia Evolutiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Sou membro do grupo de pesquisas "Sistemática básica e aplicada, biogeografia e ecologia de morcegos sul-americanos" da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), coordenado pelo Dr. Ricardo Mortatelli, onde participo de pesquisas com evolução, ecologia e parasitose de morcegos na Mata Atlântica. Estou como membro-consultor do Instituto Sul Mineiros de Estudos e Conservação da Natureza, onde participo de projetos de pesquisa com mamíferos em fragmentos florestais na RPPN Fazenda Lagoa, coordenados pelo MSc. Rafael Laurindo (Universidade Federal de Lavras). Também sou Secretário de Divulgação Científica da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Quirópteros.

Tenho a fotografia como um hobby que une o trabalho aos momentos de descontração. Levo a câmera pro mato e pra cidade, tento desvendar esse quebra-cabeça do mundo invisível em que vivemos. Meus cliques vão além de animais e paisagens, eu tento enquadrar o mundo como ele é. Consoante a paixão pela fotografia, a ecologia e a expressão cultural brasileira decidi criar esse blog para postar meus textos, pensamentos, fotografias, trabalhos... Aqui fica estampado um pedaço de mim.






Amostragem de mamíferos em área de Mata Atlântica de altitude na Serra da Bocaina, RJ e SP. 
Maio de 2011. Da esquerda para a direita: Roberto Novaes e os mastozoólogos Saulo Felix e 
Renan de França Souza, amigos de longa data e companheiros de pesquisa.


Acampamento para amostragem de morcegos em área de Cerrado em Aurora do Tocantins. 
Janeiro de 2012. Da esquerda para a direita: Renan Souza, Saulo Felix, Gabriella Jacob, Cristal 
Sauwen e Roberto Novaes.


Dra. Martha Brandão e Roberto Novaes em triagem de morcegos capturados em área de Mata 
Atlântica no Maciço da Pedra Branca, Rio de Janeiro. Maio de 2014.
Foto: José Luis Passos Cordeiro


Durante amostragem de morcegos na margem do Rio Jí-Paraná, Rondônia. Julho de 2013.
Foto: Vinícius Cardoso Cláudio.


Acampamento durante expedição de amostragem de morcegos na Caatinga do Piauí, 
juntamente com o mastozoólogo e amigo Rafael de Souza Laurindo. Março de 2011.


Visitando as pinturas rupestres do Parque Nacional da Serra da Capivara, Piauí. 
Outubro de 2010.
Foto: Eduardo Felberg